Colégio "Glaucia Costa" - 31 anos batendo forte no coração da cidade
 
 
 
  


Alemão, um ativista em defesa da cidadania em Timon


Ele se foi ainda jovem e, em 2021, já se completam trinta anos de sua partida. De personalidade forte e engajado em seus projetos com suas ações de cidadania, ele fez crescer a autoestima dos timonenses. Chamou a atenção da comunidade e dos políticos em Timon ao demonstrar amplo interesse pelo desenvolvimento social e pelo progresso da cidade. Seu nome? Airton Costa Cruz (1963-1991), conhecido por todos como Alemão, por ter albinismo e uma bela estatura. Sua comunicação, seu sorriso e sua simpatia o tornavam querido e amado pela família e pelos amigos. E tanto carisma logo encantou a cidade.


Airton, o Alemão, foi uma espécie de produtor autodidata em Timon. Ele dedicou sua vida a defender e promover ações de cidadania numa época em que não existia essa prática e a cidade ainda não apresentava desenvolvimento econômico e social satisfatórios para atender às demandas da população. A falta de equipamentos culturais, esportivos ou de lazer na zona urbana do município provocou o jovem ativista, e Alemão arregaçou as mangas para mobilizar a juventude timonense em torno de ideais de cidadania, possibilitando a construção de consciências críticas e, assim, favorecer toda a sociedade.


Com seu carisma, o Alemão cativou a amizade de inúmeras pessoas, tornando-se bastante conhecido e admirado por todos. E, a partir dessa calorosa recepção na comunidade, ele criou um grupo de jovens que centralizou a organização de projetos e a promoção de eventos culturais, esportivos e de lazer. Foi assim, por meio desse grupo, que foram realizados diversos torneios esportivos e culturais, como o grande Festival de Quadrilhas Juninas. Esse festival ocorreu na Avenida Jaime Rios e movimentou toda a cidade. O Alemão ainda promoveu viagens turísticas a lugares como: São Luís (MA), Parnaíba (PI), Fortaleza (CE), Sete Cidades (PI) e outros. Seu espírito inquieto, criativo e empreendedor não parava e o fortalecia ainda mais.


A abertura política de 1982, que permitiu a eleição de governadores e deputados, trouxe para Timon um clima de disputa eleitoral como há muito não se via. A campanha movimentou a cidade e o povo voltou às ruas para se manifestar e festejar, enfim, o retorno à democracia. Depois de um longo jejum, a população iria novamente (ou pela primeira vez) eleger seus representantes. Esse movimento político democrático ocorrido em Timon teve a participação e a liderança do Alemão, que foi às ruas com o seu grupo de jovens defender direitos, bem como o progresso econômico, social e cultural da cidade. Airton foi um cidadão politizado e plenamente consciente de seus direitos. Muito além de seu tempo, ele desejou uma cidade próspera para todos. Desse modo, com esse espírito revolucionário, o Alemão sentia a necessidade de espaços de lazer para a juventude e a população adulta na cidade. Então propôs à família e criou o Dance Lanche O Alemão, um famoso bar e lanchonete que reuniu pessoas de diferentes regiões da cidade e logo se tornou parada obrigatória de amigos, namorados e um local ideal para festividades e até comemorações políticas.


Após consolidar o sucesso do novo trabalho, o espírito agitador e empreendedor do Alemão não sossegou. Ao realizar uma festa temática para crianças com palhaços e brincadeiras no espaço ampliado do Dance Lanche, ele idealizou, com a nossa mãe Antônia, a criação de uma escola. Afinal, o que mais lhe importava era colaborar com o progresso social da comunidade timonense, de sua família e de servir ao próximo.


Assim, de sua mente brilhante e da força de uma mãe (que era igualmente empreendedora, pois já sonhava com esse projeto), surgiram os primeiros alicerces do Educandário Gláucia Costa, fundado em 1990, ali mesmo no espaço do Dance Lanche. Mais tarde, a Escola foi ampliada e se tornara o Colégio Gláucia Costa, nome que homenageia Gláucia Carvalho Costa (1921-1986), a avó materna, que morava ao lado da nossa casa. Assim, a Escola ocupou o espaço das duas residências na rua Jamil de Miranda Gedeon. Em 2020, a Escola festejou seus 30 anos de fundação e se orgulha de ter o Alemão na construção da sua história.


Por tudo isso, o Alemão foi um verdadeiro ativista na defesa de causas sociais. Seu engajamento surpreendeu muitos políticos da cidade na época, e sua partida precoce em 1991, um ano depois da criação da Escola, deixou todos desolados. Familiares, amigos e a cidade ficaram órfãos de sua presença marcante, carismática, de sua energia vibrante em lutar a favor de causas justas e cidadãs, bem como de seu entusiasmo na participação da história política da cidade.


Ele não chegou a completar os estudos formalmente, teve somente um diploma de bombeiro hidráulico e, talvez por isso, pela própria falta de oportunidades, ele assumiu o compromisso de ser um produtor autodidata, um ativista que aprendeu, nos embates do cotidiano, a reconhecer os direitos indispensáveis para conquistar a cidadania plena. O Alemão brilhou na comunidade e, na sua família, foi guerreiro e visionário nas suas atitudes e também surpreendente. Certo dia, uma empresária o parou na rua, admirou-se de sua estatura e o convidou a ser o Papai Noel daquele ano na sua loja. Alemão logo aceitou e encantou as crianças. Em casa, divertiu-nos, emocionou-nos e foi o melhor presente de Natal que tivemos.


Assim, o Alemão viveu com entusiasmo, alegria e o compromisso de restabelecer os direitos sociais da comunidade timonense. Por sua efetiva participação política no município, por seu engajamento com ações de cidadania e por ter se tornado uma figura querida, carismática e de grande destaque em nossa cidade, o Alemão foi homenageado pela Câmara Municipal de Timon, no dia 18 de março de 1992, quando aquele Parlamento aprovou, por unanimidade, o projeto de autoria do então vereador Jamil de Miranda Gedeon Filho (1939-2012), que solicitou a indicação do nome Airton Costa Cruz para uma rua localizada no Conjunto Boa Vista. O projeto foi bastante elogiado, pois, de forma inédita, foi acompanhado da biografia do homenageado.


Em 2000, inaugurando o século XXI, o Colégio Gláucia Costa criou o Troféu Airton Costa Cruz em sua homenagem. O torneio teve cinco edições e reuniu estudantes do CGC e de outras instituições. O evento celebrou sua atitude de vanguarda e espírito desportista, o flamenguista apaixonado por futebol deixou seu nome marcado nas quatro linhas da cidade. O Espaço Cultural e Esportivo da Escola também leva seu nome. No passado, o local foi um campinho de futebol que muito fez a alegria do menino Airton.


Ele nos deixou cedo, é verdade, mas sua garra e seus ideais de participação política, democracia e cidadania permanecem vivos na cidade e na família Gláucia Costa. Inspirada nessas ações, a Escola trouxe, para sua prática pedagógica, os princípios e fundamentos de uma escola participativa e democrática, que tem por objetivo a formação integral do educando, preparando-o para a sua realidade social e a conquista da cidadania plena. A cidade livre, cidadã e humanizada com a qual o Alemão sonhou embala nossas realizações e determina nosso compromisso com a educação.


ANGELY COSTA – Escritora – Bibliotecária

Pós-Graduada em Literatura,

Estudos Culturais e outras Linguagens